A Gato come

A Gato voltou a provar pão artesanal d’A Padaria Portuguesa

Que aprecio o pão que sai das mãos do Paulo Cardoso do LAB d’A Padaria Portuguesa não é novidade.

Se anteriormente me lancei numa investigação sobre o então novo pão artesanal do LAB, desta vez debrucei-me sobre uma novidade fresca: O pão artesanal feito com água do mar.

Desta vez não foi o facto do nome desta criação ter a tagline “pão artesanal” que captou a minha atenção, e sobre a qual já sabem a minha opinião, mas sim a particularidade deste pão ser trabalhado com água do mar.

Obviamente que antes de o provar já tinha uma ideia pré-concebida de como seria – erro de quem passa o dia a sonhar com pão. Imaginei-o de sabor mais salinizado e complexo.

No entanto, o que vi foi um pão de aspeto tosco, mais comprido que faz lembrar – em termos de apresentação – o pão tipo Mafra, que me acostumei a comer desde pequena com doses generosas de manteiga.

Mas desenganem-se quem espera encontrar um Pão tipo Mafra. Estes pães, embora tenham algumas características idênticas, são pães com textura e sabor bastante distintos.

Este pão tem bastante hidratação e é bastante arejado e doce (nas palavras do seu próprio Criador) e leva apenas farinha de trigo, de moleiro é claro.

O que vos digo é que este exemplar veio cá para casa ao final do dia e no final da manhã seguinte já pouco restava dele. Provei ao natural e torrado, sem nada e depois experimentei com manteiga (daquela dos Açores, claro).

Veredicto final: É um pão perfeito para #breadlovers que tal como eu percebem que o pão, quando é artesanal e de qualidade, não faz mal nenhum a nada. Bom, só ao coração quando o vemos chegar ao fim…

Leila Gato

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *