Gato em dia

Desistir (também) é preciso

2018 vai quase a meio e tem-se revelado num ano cheio de aprendizagens.

Quando comecei a pôr mãos à obra no blog estava longe de imaginar que iria aprender tanto e conhecer tantas pessoas num período de tempo tão curto. A verdade é que este meu caleidoscópio tem-me permitido navegar por mares desconhecidos e descobrir imensas coisas sobre a minha personalidade, as minhas capacidades e mais importante ainda, os meus limites.

A rubrica 3 coisas da Gato é uma rubrica que me dá gozo escrever porque me ajuda a escolher 3 coisas que, de alguma forma, me tocaram ou fizeram de um dos meus dias dessa semana num dia especial ou digno de nota, mesmo que tenha sido apenas um momento. O 3 coisas de há umas semanas atrás foi-me dificil de escrever. Dei por mim a trocar imensas vezes uma das coisas por outras e lá acabei por escolher aquela que tanto hesitei em partilhar.

Refiro-me ao curso de aguarelas que estava a fazer.

Que estava. Já não estou. A minha indecisão tornou clara a vontade que se estava a formar dentro de mim. A minha indecisão fez-me perceber que talvez não fosse a altura certa, que outras coisas se “intrometeram” e é a elas que quero dedicar o meu tempo, que é pouco, mas é tudo o que tenho quando não estou ocupada com obrigações profissionais.

Inicialmente recriminei-me e disse a mim prória “não podes desistir, vá tu és capaz, só tens de aguentar mais um mês e tal”, mas uma outra voz interior elevou-se e ajudou-me a perceber que o verbo “aguentar” só faz sentido na lógica de Anton Tchekhov da peça A Gaivota. Eu não sou uma das personagens do A Gaivota, eu não tenho que aguentar, eu tenho é que sentir que me consigo dedicar de corpo e alma a tudo o que me proponho, e se por isso, tenho de fazer menos, então que seja. Há tempo para tudo, enquanto cá estiver. 

E assim foi. Enchi-me de coragem e mandei email a comunicar a minha decisão. A Nextart respondeu-me a lamentar mas que compreendia perfeitamente e criou-me um vale no valor das aulas a que não assisti. Tudo resolvido! Agora só tenho de pensar num novo curso que irei lá fazer em breve, depois de terminar o de Desenho a meio de junho.

Para os mais curiosos, a minha referência a Tchekhov deve-se a esta frase da personagem Nina, para mim uma personagem linda e fortíssima por ser frágil mas obstinada:

” (…) o que é importante não é ter êxito, nem tão-pouco glória, nem nada do que eu sonhava – o que é
importante é conseguir aguentar.”

Leila Gato

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *