Gato em dia

de 29 de abril a 6 de maio

Foi uma semana mais curta mas intensa. Inaugurei-a com o aniversário da mãe, brinquei como miúda pequena e terminei-a a preparar-me para recomeçar algo que deixei a meio o mês passado.

O Cozido à Portuguesa da Dona Lourdes

Eu integro o grupo das pessoas que dizem que o melhor cozido à portuguesa é o da sua mãe.

E não o digo porque ela usa as melhores carnes, ou os melhores enchidos, ou porque o arroz que ela faz com o caldo da carne é de ir ao céu e voltar aí umas trezentas vezes, ou porque ela coze frango de propósito para mim, ou porque começa a fazer o cozido às 10 da manhã para começarmos a comer depois das duas da tarde.

Só o digo porque ela faz com que eu não sinta a mínima vontade de comer cozido noutro lugar qualquer que não na casa onde cresci.

A operadora de caixa que há em mim

Teria prescindindo de um rim em miúda para ter uma destas.

Como nunca a tive, improvisava com uma calculadora para fazer as contas. Usava um comando da televisão como scanner e ia passando os valores imaginários dos produtos adquiridos pelos meus clientes fantasmas ao som do “bip” emitindo por mim.

E quando o código não passava? Lá tinha a operadora de caixa de serviço teclar freneticamente os números todos. Depois recebia o pagamento e dava troco em libras que andavam sempre lá por casa. Alguns clientes pagavam com cheque e eu tinha de assinar no verso e colocar a data. E passava recibo, sempre tudo dentro da legalidade.

Hoje há uma destas para a nova geração, não tarda estarão eles a fazer “bip, bip” e não me vou importar nada de ser a sua cliente.

How long, Aguarelas…

Parei o curso de aguarelas durante todo o mês de abril.

O Papas na Língua meteu-se pelo caminho e além disso meteu-se um feriado no dia das aulas e compromissos profissionais. No pouco tempo que tive durante este hiato apenas consegui praticar uma vez, uma única vez.

Uma vez é muito pouco para quem quer tirar o maior partido do que está a aprender. Uma vez é muito pouco para apurar a técnica. Mas uma vez foi todo o tempo que tive para o fazer e a verdade é que aquela manhã no meio dos pincéis e das aguarelas a pintar canas de bambu levou-me até um sítio muito bom.

Hoje recomeço. Lá vou eu tentar arranjar tempo dentro do pouco que não tenho.

Leila Gato 

 

 

1 thought on “de 29 de abril a 6 de maio”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *