Coisas da Gato

de 15 a 21 de janeiro

Este é a primeira lista das 5 coisas que me marcaram de 15 a 21 de janeiro. Haverá uma destas todas as semanas, prometo!

Unicorns are jerks, de Theo Nicole Lorenz

O meu marido oferece-me sempre os livros mais hilariantes para contrabalançar com a delicadeza dos seus gestos nesta vida que temos juntos. A surpresa deste Natal foi um livro de colorir que disseca a verdade da vida destes seres tão bajulados atualmente: os unicórnios. E se no mesmo Natal, uma das minhas melhores amigas achou por bem ajudar-me a poupar umas moedas com a ajuda deste unicórnio mealheiro, o meu marido preferiu ajudar-me a dar mais um passo em direção à sabedoria suprema e sem possibilidade de contra argumentação. (Em breve explico-vos melhor o porquê).

unicorns are jerks 5 coisas da gato
Querem ver que afinal andamos todos enganados?

 

As canetas Alice Scott

Uma prenda de aniversário da Célia e do Rui. Uso-as diariamente tanto em casa como no trabalho. São perfeitas, suaves e a tinta flui otimamente no papel.Ando sempre com mais que uma na mala, porque nunca se sabe quando vamos precisar de apontar algo na agenda, no bloco ou no guardanapo. A marca Alice Scott é inglesa, claro. Claro, porque quem ainda não me conhece, depressa se vai aperceber deste meu fraquinho por tudo o que vem do país do país dos scones com queijo cottage e que terei muito gosto em partilhar por aqui.

As canetas que me acompanham diariamente

O filme “Three billboards outside Ebbing, Misouri…”

Dificilmente vou escrever em poucas linhas o que este filme de Martin McDonagh tem de significativo. O argumento do próprio aborda a violência contra as mulheres de forma magistral e tem inteligência e humor suficiente para nos levar nesta viagem de redenção dos três protagonistas desta história desempenhados por atores estão de tal forma em sintonia que conseguiram transpor todo o realismo possível para uma situação tão incrivelmente real.

Frances Macdormand está incrível (digam-me quando é que não esteve!), no papel de uma mãe incapaz de ficar inerte ao ver a apatia da polícia local na cidade onde vive, Sam Rockwell tem possivelmente uma das suas melhores prestações (se bem que sou fã do seu papel em Moon) e Woody Harrelson prova mais uma vez que é um dos melhores atores da atualidade, não por ser versátil como Meryl Streep, não por ser impenetrável como Daniel Day Lewis, mas porque consegue dar sempre uma dimensão de humanidade a todas as personagens que decide interpretar.

Se me perguntarem numa frase sobre o que é este filme? Acho que este filme é sobre aceitação e redenção, aceitarmos aquilo que não podemos mudar e redimir-nos quando a vida nos dá essa oportunidade.

Frances Mcdormand em Three Billboards outside Ebbing, Misouri, Fox Searchlight

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *